Psicologia

Partilhe

 

 

Abidin, R. e Brunner, J. (1995). Development of a Parenting Alliance Inventory. Journal of Clinical Child Psychology, 24 (1), 31-40.

Ahrons, C. (1994). The Good Divorce: Keeping Your Family Together When Your Marriage Comes Apart. New York:HarperCollins.

Alarcão, M. (2002). (Des)Equilíbrios Familiares. Coimbra: Quarteto.

American Psychiatric Association (2002). DSM-IV(TR): Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais (4ª ed. Texto revisto). Lisboa: Climepsi Editores.

Anastácio, Z., Carvalho, G., & Clément, P. (2006). Educação sexual no 1º CEB: Argumentação dos professores para a sua (não) consecução. In L. Almeida et al. (Orgs.), Actas do VIII Congresso Galaico Português de Psicopedagogia (2ª Edição) (pp. 1489-1502). Braga: Universidade do Minho.

Araújo, A. F. e Canavarro, M.C. (2001). Mães de bebés prematuros: factores psicossociais e reacções emocionais na prematuridade. Comunicação apresentada no Congresso Internacional Percursos no Feminino, Minho.

Balancho, L. S. (2004). Ser pai: Transformações intergeracionais na paternidade. Análise Psicológica, 2(XXII), 377-386.

Bayle, F. (2006). À volta do nascimento. Lisboa: Climepsi Editores.

Bayle, F., & Martinet, S. (2008). Perturbações da parentalidade. Lisboa: Climepsi Editores.

Belsky, J. (1990). The Psychology of Aging: Theory, Research, and Interventions. University of Michigan:Brooks/Cole Pub. Co..

Belsky, J., Youngblade, L., Rovine, M. e Veiling, B. (1991). Patterns of marital change and parent-child interaction. Journal of Marriage and the Family, 53, 487-498.

Berger, P. e Kellner, H. (1964). Marriage and the construction of reality. Diogenes, 46, 1-24.

Braz, M., Dessen, M. e Silva, N. (2005). Relações Conjugais e Parentais: Uma comparação entre famílias de classes sociais baixa e média. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18 (2), 151-161.

Brazelton, T. B. (2000). Tornar-se família: O crescimento da vinculação, antes e depois do nascimento. Lisboa: Terramar.

Brazelton, T. B. (2005). A maternidade e a vida profissional. Lisboa: Editorial Presença.

Brazelton, T. B., & Cramer, B. G. (2004). A relação mais precoce: Os pais, os bebés e a interacção precoce. Lisboa: Terramar.

Bronfenbrenner, U. (1986). Ecology of the family as a context for human development: Research perspectives. Developmental Psychology, 22, 723-742.

C.O.I. Department of Health (2009). The pregnancy book. London: NHS.

Campos, R. C. (2000). Processo gravídico, parto e prematuridade: Uma discussão teórica do ponto de vista do psicólogo. Análise Psicológica, 4(XVIII), 15-35.

Canavarro, M. C. (2005). Psicologia da gravidez e da maternidade. Coimbra: Quarteto Editora.

Carlos, A. I., Pires, A., Cabrita, T., Alves, H., Araújo, C., & Bentes, M. H. (2007). Comportamento parental de mães adolescentes. Análise Psicológica, 2(XXV), 183-194.

Conde, A., & Figueiredo, B. (2007). Preocupações de mães e pais, na gravidez, parto e pós-parto. Análise Psicológica, 3(XXV), 381-398.

Cordeiro, M. (2009). O grande livro do adolescente: Dos 10 aos 18 anos. Lisboa: A Esfera dos Livros.

Cotralha, N. R. (2007). Adaptação psicológica à gravidez em mulheres toxicodependentes. Lisboa: Dinalivros.

Cowan, C. P., Cowan, P. A., Heming, G., e Miller, N. B. (1991). Becoming a family: Marriage, parenting, and child development. In P. A.

Cowan, e M. Hetherington (Eds.), Family transitions (pp. 79-109). Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Crespo, C. (2007). Rituais Familiares e o casal: Paisagens Inter-sistémicas. Dissertação de Doutoramento pela FPCEUL (não publicado).

Crohan, S. E. (1996). Marital quality and conflict across the transition to parenthood in african american and white couples. Journal of Marriage and the Family, 58, 933-944.

Cruz, H. e Pinho, I. (2006). Pais Uma Experiencia. Porto:Papiro Editora.

Cruz, O. (2005). Parentalidade. Coimbra: Quarteto.

Easterbrooks, M. A., e Emde, R. N. (1988). Marital and parent-child relationships: The role of affect in the family system. In R. A. Hinde e J. Stevenson-Hinde (Eds.), Relationships within families: Mutual influences (pp. 83-103). Oxford, UK: Clarendon.

Engfer, A. (1988). The interrelatedness of marriage and the mother-child relationship. In R. A. Hinde & J. Stevenson-Hinde (Eds.), Relationships within families: Mutual influences (pp. 105-118). Oxford, UK: Clarendon.

Erel, O., e Burman, B. (1995). Interrelatedness of marital relations and parent-child relations: A meta-analytic review. Psychological Bulletin, 118, 108-132.

Evans, J., Ferreira, M., Rodrigues, M., & Costa, S. (2006). A adopção para quem já tem filhos biológicos: Características e motivações. In L. Almeida et al. (Orgs.), Actas do VIII Congresso Galaico Português de Psicopedagogia (2ª Edição) (pp. 99-112). Braga: Universidade do Minho.

Falicov, C. J. (1988). Family transitions: continuity and change over the life cycle. London: The Guilford Press.

Faria, M. C. (2006). Escola de pais e de mães. In L. Almeida et al. (Orgs.), Actas do VIII Congresso Galaico Português de Psicopedagogia (2ª Edição) (pp. 1817-1834). Braga: Universidade do Minho.

Fauchier, A. e Margolin, G. (2004). Affection and Conflict in marital and parent-child relationships. Journal of Marital and Family Therapy, 30 (2), 197-211.

Ferreira, S. A., Pires, A., & Salvaterra, F. (2004). Filho do coração… Adopção e comportamento parental. Análise Psicológica, 2(XXII), 399-411.

Figueiredo, B. (2000). Maternidade na adolescência: Consequências e trajectórias desenvolvimentais. Análise Psicológica, 4(XVIII), 485-498.

Figueiredo, B. (2001). Mães e bebés. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian & Ministério da Ciência e da Tecnologia.

Figueiredo, B., Costa, R., & Pacheco, A. (2002). Experiência de parto: Alguns factores e consequências associadas. Análise Psicológica, 2(XX), 203-217.

Figueiredo, B., Pacheco, A., & Margarinho, R. (2004). Utentes da consulta externa de grávidas adolescentes da Maternidade Júlio Dinis entre os anos de 2000 e 2003. Análise Psicológica, 3(XXII), 551-570.

Fincham, F. D., Beach, S. R. H., e Kemp-Fincham, S. I. (1997). Marital quality: A new theoretical perspective. In R. J. Sternberg & M. Hojjat (Eds.), Satisfaction in close relationships (pp. 275-304). New York: Guilford Press.

Fine, M. e Harvey, J. (2006). Handbook of Divorce and Relationship Dissolution. Routledge

Floyd, F., Gilliom, L. e Costigan, C. (1998). Marriage and Parenting Alliance: Longitudinal Prediction of Change in Parenting Perceptions and Behavior. Child Development, 69 (5), 1461-1479.

Francisco, V. L., Pires, A., Pingo, S., Henriques, R., Esteves, M. A., & Valada, M. J. (2007). A depressão materna e o seu impacto no comportamento parental. Análise Psicológica, 2(XXV), 229-239.

Gable, S., Belsky, J., Crnic, K. (1992). Marriage, parenting, and child development: Progress and prospects. Journal of Family Psychology. 5(3-4), 276-294.

Goldschmidt, Teresa (2012). A criança, o adolescente e a família – saúde mental e intervenção judiciária, CEJ

Gomes, Marta Sofia Alves dos Santos de Cunha, À procura de pistas para uma conjugalidade satisfeita : entre indicadores de risco estático e formas conjugais, FPCE, 2011

Gottman, J. M. (1994). Why marriages succeed or fail. Nova York: Simon & Schuster.

Gottman, J.M., Silver, N. (2002). Os 7 Principios do Casamento. Cascais: Pergaminho.

Graça, M. T., & Zamith-Cruz, J. (2006). Retorno ao trabalho: Quem fica com o bebé? In L. Almeida et al. (Orgs.), Actas do VIII Congresso Galaico Português de Psicopedagogia (2ª Edição) (pp. 3531-3546). Braga: Universidade do Minho.

Hernandez, J. e Oliveira, I. (2003). Os componentes do amor e a satisfação. Psicologia: Ciência e profissão, 23 (1), 58-69.

Hiccks, M., e Platt, M. (1970). Marital hapiness and stability: a review of the research in the sixties. Journal of Marriage and the Family, 32, 553-574.

Howes, P., e Markman, H. J. (1989). Marital quality and child attachment: A longitudinal study. Child Development, 60, 1044-1051.

Johnson, D. R., e Booth, A. (1998). Marital quality: a product of dyadic environment or individual factors? Social Forces. Chapel Hill,76 (3), 883-904.

Karpel, M. A. (1994). Evaluating couples: A handbook for practitioners. New York,USA: W. W. Norton e Company.

Kurdek, L. A. (1998). The nature and predictors of the trajectory of change in marital quality of the first 4 years of marriage for first-married husbands and wives. Journal of Family Psychology, 12, 494-510.

Leal, I. (2005). Psicologia da gravidez e da parentalidade. Lisboa: Fim de Século.

Leal, I., & Maroco, J. (2010). Avaliação em sexualidade e parentalidade. Porto: LivPsic.

Leonardo, J., & Nodin, N. (2005). As representações dos técnicos de saúde de uma maternidade face à substituição gestacional e às hospedeiras gestacionais (“Barrigas de Aluguer”). Análise Psicológica, 3(XXIII), 261-267.

Lindahl, K. M., Clements, M., e Markman, H. (1997). Predicting marital and parent functioning in dyads and triads: A longitudinal investigation of marital processes. Journal of Family Psychology, 11, 139-151.

Lourenço, L. (2005). O bebé no divã – Desenvolvimento emocional precoce: Amar e pensar com o bebé e os seus pais. Coimbra: Almedina.

Lourenço, M. M. (1998). Textos e contextos da gravidez na adolescência: A adolescente, a família e a escola. Lisboa: Fim de Século.

Management of visitation interference; Turkat, Ira Daniel, The Judges Journal, (1997) 36 p 17-47

Marital breakdown and its consequences for children; Benians, Robin C, Medico-Legal Journal, (1977) 45 (1) p 19

Marques, C. (2003). Depressão materna e representações mentais. Análise Psicológica, 1(XXI), 85-94.

McCubbin, H. I., e Patterson, J. M. (1983). Family transitions: Adaptation to stress. In H.I. McCubbin e C.R. Figley (Eds.), Stress and the family – vol.1: Coping with normative transitiosn (pp. 5-25). New York: Brunner/Mazel.

Mediating in child contact: a multidisciplinary approach; Cottingham, Una; Slade, Alan, Fam Law, [2000] p 933-935

Medico-legal aspects of contact between children and their families of origin and others who have been important in their lives; Benians, Robin C, Med Sci Law, (1987) 27 (4) p 248

Miller, B. C. (1976). A multivariate developmental model of marital satisfaction. Journal of Marriage and the Family, 38, 643-65.

Minuchin, P. Colapinto, J. e Minuchin, S. (1998). Working with families of the poor. NY: The Guilford Press.

Minuchin, S. (1982). Famílias: funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Missing fathers; Teyber, Edward; Hoffman, Charles D, Psychology Today, (1987) p 36-39

Monteiro, S. (2005). Contextos Relacionais na adaptação à maternidade: estudo da influência das relações afectivas com os pais durante a infância e adolescência e do suporte social na idade adulta. Dissertação de Mestrado pela FPCEUL (não publicado).

Moura-Ramos, M., & Canavarro, M. C. (2007). Adaptação parental ao nascimento de um filho: Comparação da reactividade emocional e psicossintomatologia entre pais e mães nos primeiros dias após o parto e oito meses após o parto. Análise Psicológica, 3(XXV), 399-413.

Moving children out of the jurisdiction; Hickman, David C, Fam Law, [1999] p 123 (letter)

Myth, reality, and father absence; Stevenson, Michael, Men’s Studies Review, 8(1) p 3-8

Narciso, I. (1994). Metamorfoses do amor e da satisfação conjugal. Lisboa: Provas de aptidão pedagógica e capacidade científica apresentadas na Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade de Lisboa.

Narciso, I. e Costa, M. E. (1996). Amores Satisfeitos, mas não Perfeitos. Cadernos de Consulta Psicológica, 12, 115-130.

Nascimento, M. J. (2003). Preparar o nascimento. Análise Psicológica, 1(XXI), 47-51.

Ordem dos Enfermeiros (2001). Padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem: Enquadramento conceptual e enunciados descritivos. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros – Edições Divulgar.

Pereira, A. O., & Leal, I. (2005). Dadoras de ovócitos: Quem são? Análise Psicológica, 3(XXIII), 269-276.

Pires, A. L. O. (1994). As novas competências profissionais. Formar, 10, 4-19.

Relvas, A. P. (1996). O ciclo vital da família perspectiva sistémica. Porto. Edições Afrontamento.

Relvas, A. P. (2000). O Ciclo Vital da Família. Porto: Afrontamento.

Relvas, A. P., & Alarcão, M. (2007). Novas formas de família. Coimbra: Quarteto.

Ribeiro, M. T. (2007) Família: Comunidade Educativa – Filhos hoje, Pais amanhã. Comunicação Oral no Auditório da Assembleia da República. Lisboa

Rocha, A. M., Leal, I., & Maroco, J. (2007). A amamentação, o feminino e o materno. Análise Psicológica, 3(XXV), 363-380.

Rollins, B. C. e Cannon, J. L. (1974). Marital satisfaction over family life cycle: a reevaluation. Journal of Marriage and the Family, 36, 271-282.

Roth, J. e Peck, R. F. (1951). Social class and social military factors related to marital adjustment. Social Review, 16, 478-487.

Rothman, A. D. (2004). The nature and predition of marital change across the transition to parenthood. Dissertation Abstracts International: section B: The sciences and engineering, 65(2-B), 1038.

Sá, E. (2004). A maternidade e o bebé. Lisboa: Fim de Século.

Sampaio, D. e Gameiro, J. (1985). Terapia Familiar. Biblioteca Ciências do Homem. Porto. Edições Afrontamento.

Scanzoni, J. (1989). The Sexual Bond: Rethinking Families and Close Relationships. USA: Sage Publications.

Schultz, M., Cowan, C. e Cowan, P. (2006). Promoting healthy beginnings: A randomized controlled trial of a preventive intervention to preserve marital quality during the transition to parenthood. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 74(1), 20-31.

Sears, W., & Sears, M. (2003). The baby book: Everything you need to know about your baby from birth to age two. New York: Hachette Book Group.

Serra, A. M., & Algarvio, S. (2006). Preocupações parentais dos pais de crianças nascidas por fertilização in vitro. Análise Psicológica, 2(XXIV), 149-154.

Serras, D., & Pires, A. (2004). Maternidade atrás das grades: Comportamento parental em contexto prisional. Análise Psicológica, 2(XXII), 413-425.

Simões, M.M.R (1994). Investigação no âmbito da aferição nacional dos Testes das Matrizes Coloridas de Raven. Dissertação de Doutoramento pela Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação, Universidade de Coimbra.

Singly, F. (2000). Libres ensemble. L’individualisme dans la vie commune. Paris. Nathan.

Sousa, J. (2006). As famílias como projectos de vida: O desenvolvimento de competências resilientes na conjugalidade e na parentalidade. Saber (e) Educar 11, 41–47.

Stern, D. N., Bruschweiller-Stern, N., & Freeland, A. (2005). Nascimento de uma mãe: A experiência da maternidade. Porto: Ambar.

Tendais, I., Figueiredo, B., & Mota, J. (2007). Actividade física e qualidade de vida na gravidez. Análise Psicológica, 3(XXV), 489-501.

Tessier, R., Piché, C., Tarabulsky, G. M., e Muckle, G. (1992). Mothers’ experience of stress following the birth of a first child: Identification of stressors and coping resources. Journal of Applied Social Psychology, 22, 1319-1339.

Van Egeren, L. e Hawkins, D. (2004). Coming to Terms with Coparenting: Implications of Definition and Measurement. Journal of Adult Development, 11(3), 165-178.

Veiga-da-Silva, C. E. (2001). Sem “nós” dois, o que resta sou eu: os caminhos para a separação conjugal. Tese de Doutoramento pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. (não publicada).

Weiss, P. S., e Palos, A. P. (1988). Desarollo y validación de la escala de la satisfación marital. Psiquiatria, 1, 9-20.

Weissbluth, M. (1999). Healthy sleep habits, happy child: A step-by-step programme for a good night’s sleep. London: Vermilion.

White, L. K., e Booth, A. (1985). The transition to parenthood and marital quality. Journal of Family Issues, 6, 435-450.

Wilkinson, R. B. (1995). Changes in psychological health and the marital relationship through childbearing: Transition or process as stressor? Australian Journal of Psychology, 4(47), 86-92.

Wright, L. M., & Leahey, M. (2009). Enfermeiras e famílias: Um guia para avaliação e intervenção na família (4ª ed.). São Paulo: Roca.

A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PELA IGUALDADE PARENTAL E DIREITOS DOS FILHOS tem por fim as actividades de carácter cívico, cultural, formativo e informativo, no âmbito da protecção e fomento da igualdade parental, nos seus diferentes níveis de intervenção – legislativo, jurídico, psicológico, mobilização da opinião pública, entre outros -, relativamente aos direitos dos filhos (crianças e adolescentes) cujos pais se encontrem separados ou divorciados.