Parentalidade Positiva

Partilhe

sea-gull-177364

A Parentalidade Positiva em vez de procurar a todo custo destruir os “maus hábitos” dos filhos, para remover os “maus comportamentos”, tenta descobrir as causas que levam a esses comportamentos inadequados. Em geral, o que causa o gatilho para o comportamento que nos incomoda (raiva, disputa, capricho entre irmãos, etc.), é apenas uma necessidade não atendida. As crianças são como nós: são infelizes quando as suas necessidades básicas não são satisfeitas… A diferença é que estas ainda estão em processo de aprendizagem na gestão dessa frustração. Ouvir a criança e conhecer as suas necessidades básicas permitirá que consiga resolver diversas situações de uma forma menos desgastante.

A equação é simples: Uma criança cujas necessidades não são atendidas vai tentar satisfazê-las por outros meios… Comportamentos muitas vezes inadequados (choro, birras, gritos, etc.), Enquanto que, inversamente, uma criança cujas necessidades são satisfeitas, sente-se bem internamente e nesse sentido adopta comportamentos mais adequados e colabora com mais facilidade.

Conhecer as necessidades básicas da criança, ajudá-lo-á a identificar melhor aquelas que precisam ser preenchidas, evitando o uso de comportamentos disruptivos ou inaceitáveis para si.

Mas antes disso, é importante notar que, todas as mães e pais, inconscientemente, passam aos seus filhos as suas próprias necessidades não satisfeitas . Se o seu “tanque de amor” raramente é completo o seu filho também terá dificuldades em preencher o seu correctamente. Ter consciência dos seus próprios defeitos e tentar repará-los é muitas vezes um pré-requisito antes de poder esperar por resultados na criança. Também é importante que o filho saiba que a mãe e o pai têm as suas próprias necessidades e gradualmente, a criança vai aprendendo a respeitá-las e a fazer um bom entendimento das mesmas.

Tenha cuidado para não confundir necessidade com desejo! Procurar atender às necessidades do seu filho não significa ceder aos seus desejos. Os desejos são maneiras de satisfazer as necessidades… E as crianças conseguem ser muito imaginativas! Muitas vezes, esses desejos simplesmente não são viáveis e por isso é importante olhar para a “necessidade não atendida” por trás do desejo, oferecendo uma alternativa razoável à criança.

As necessidades básicas:
• A necessidade de segurança. É através de frustrações, limites, regras, que se dá à criança uma sensação de segurança, como também uma boa base de socialização.
• A necessidade de estabilidade: horários fixos, rotinas regulares, uma atmosfera serena em casa e respostas consistentes .
• A necessidade de beber e comer. A dieta desempenha um papel fundamental no estabelecimento da conexão emocional, incluindo o primeiro mês durante o aleitamento. Mais tarde, quando a criança sente a necessidade de comer com as mãos, é importante deixá-la porque está a responder a uma necessidade de exploração e permite-lhe desenvolver o seu sentido de toque sendo uma fonte de prazer.
• A necessidade de dormir. Quando o seu ritmo de sono é perturbado, é criado um desequilíbrio nervoso que origina problemas comportamentais inevitáveis. As necessidades do sono variam mas aqui estão alguns pontos de referência:
Recém-nascido: 20 horas
1-3 anos: 15 horas
3-6 anos: 12 horas
Cerca de 10 anos: 10 horas
Adolescente: 8 ou 9 horas
Adulto: 7 a 8 horas
• A necessidade de ser limpo . Práticas de higiene pessoal (de troca de fralda, tomar banho, escovar os dentes etc.).
• A necessidade de comunicar desde o nascimento ou mesmo antes.
• A necessidade de ser respeitado no seu ritmo de desenvolvimento . As expectativas devem ser realistas, dependendo do estágio de desenvolvimento psicomotor, emocional e social da criança.
• A necessidade de aprender e jogar. O papel dos pais é construir sobre o desejo de aprender da criança, proporcionando um ambiente favorável: (Jogos, brinquedos, etc.) espaço, mobiliário, equipamento adaptado às suas necessidades do momento e habilidades, em vez de tentar dirigir a criança na sua aprendizagem impondo uma determinada actividade.
• A necessidade de explorar, descobrir, experimentar, observar. As crianças precisam de capturar o ambiente em que vivem no sentido de controlarem gradualmente as suas acções.
• A necessidade de prazer: Tomar medidas para aprender e despertar a criança para o “querer fazer”.
• A necessidade de saídas. Saídas, passeios, são benéficos para a criança. Fornecem-lhes o ar e a luz do sol que necessitam para ser saudáveis (a oxigenação estimula as defesas do organismo e promove o apetite e o sono), e dá-lhes a oportunidade de conhecer diferentes lugares, diferentes pessoas e crianças, etc.

Necessidades emocionais:
• A necessidade de ser amado incondicionalmente.
• A necessidade de atenção : a criança deve saber que os pais a ouvem e estão atentos às suas necessidades.
• A necessidade de ser apreciado pelas suas qualidades.
• A necessidade de respeito : Da sua natureza, da sua personalidade, dos seus gostos, do seu desejo de fazer ou não fazer, das suas habilidades etc.
• A necessidade de apoio : apoio, incentivos, elogios.

Para concluir, note que todas estas necessidades são bastante “fáceis” de atender, a partir do momento em que decidimos dar mais peso ao relacionamento, ao bem-estar e às necessidades dos outros, em vez de promovermos a gratificação instantânea.

Autora: Joana Vilar

Traduzido e Adaptado do artigo “Les 16 besoins fondamentaux de tous les enfants”, de Les Super Parents (Conseils et ressources en parentalité bienveillante)

A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PELA IGUALDADE PARENTAL E DIREITOS DOS FILHOS tem por fim as actividades de carácter cívico, cultural, formativo e informativo, no âmbito da protecção e fomento da igualdade parental, nos seus diferentes níveis de intervenção – legislativo, jurídico, psicológico, mobilização da opinião pública, entre outros -, relativamente aos direitos dos filhos (crianças e adolescentes) cujos pais se encontrem separados ou divorciados.